NOTÍCIA ANTERIOR

Editorial: A lavagem da Esquina do Padre 2019. Ah, a lavagem!!

PRÓXIMA NOTÍCIA

Veja no CN: Confira reportagem sobre o Cortejo da LEP 2019.

Caetité poderá ter barragem de rejeito em bilionário projeto da BAMIN.

Data publicação: 28/01/2019

Diante do grave episódio que aconteceu em Brumadinho no estado de Minas Gerais, onde uma barragem de rejeito da empresa Vale, rompeu-se deixando até o momento 58 mortes e 250 desaparecidos e parte de uma cidade devastada pela lama, uma questão vem a tona na região de Caetité e volta a ser destaque de discussões. 


Em Caetité e região de Pindaí, está localizada uma maiores reservas do Brasil de minério de ferro. A empresa Bamin, atualmente controlada pela  Eurasian Natural Resources Corporation (ENRC), uma multinacional do Cazaquistão, que é  detentora dos direitos de exploração dos locais  desde 2007 vem tentando implementar o empreendimento bilionário, que envolve diversas questões polêmicas.


Uma delas é a instalação de uma barragem de rejeito que vai impactar moradores da região dos distritos de  Guirapá e Brejinho das  Ametistas e as comunidades de Cana Brava, Açoita Cavalo, Açoita Cavalo II, Fazenda da Mata, Fazenda da Mata de Baixo, Rio da Faca, Rio da Faca de Cima, Fazenda das Flores, João Barroca e Brejo.  Uma área de 719 hectares pode ter a vegetação suprimida e alagada pelo empreendimento que irá receber os rejeitos da produção que são altamente perigosos ao meio ambiente em caso de desastres. Esses locais estão na divisa das cidades de Caetité e Pindaí. 


Lideres comunitários, comissões e movimentos livres,  batem na ideia que a barragem irá prejudicar diretamente a região, e não somente as comunidades apontadas pela BAMIN. Para as lideranças que representam 600 famílias, a  Bamin quer acabar com locais com melhor oferta de água doce dessas comunidades. Irão desaparecer 27 nascentes e poços artesanais usados  pela população dessa região que depende dessas áreas para seus sustento. O risco de falta de água também é outro fator preocupante.


Os projetos de construções das  barragens em Mariana e Brumadinho,  foram os mais econômicos.   A BAMIN tinha apresentado cinco vias de construções, mais também escolheu os   procedimentos mais baratos e que podem causar  maiores impactos ao meio ambiente. Como nas cidades onde aconteceram as duas tragédias, nossa região corre o risco de acontecer a  negligencia com o passar o tempo, o que pode causar um desastre ambiental onde a lama depositada na barragem seria encaminhada diretamente na bacia que liga  ao velho  Rio São Francisco.


O ministério Público da Bahia, vem acompanhando de perto o projeto e já  recomendou a BAMIN que altere o local da barragem, e que faça um estudo mais detalhado e mais profundo  dos danos e a real abrangência dos impactos para os meios físicos, bióticos e socioeconômicos. 


A BAMIN no projeto Pedra de Ferro,  estima explorar da região 470 milhões de toneladas de minério de ferro. Outro entrave para o início do  empreendimento é a conclusão das obras da FIOL, Ferrovia de Integração Oeste Leste, que escoará a produção para o porto de Ilhéus e que está com 76 % das obras concluídas. 


Enquanto o projeto não sai do papel a preocupação diante dos impactos para a população continuam em ampla discussão. A redação do Caetité Notícias, irá enviar  perguntas a BAMIN sobre as obras e como anda o desenrolar do empreendimento.  

Caetité Notícias © Copyright 2011 - 2017, Todos os direitos reservados Desenvolvido por WSouza Sistemas